Expectativa de Vida

Eu não sei vocês, mas eu morro de saudades dos meus avôs, que, infelizmente, já faleceram. Eles eram migrantes e passaram por muitas dificuldades na vida, mas conseguiram formar uma família sólida e unida. Hoje em dia, a idade com que eles faleceram parecem muito reduzidas porque, em média, os brasileiros têm vivido muito mais tempo que há alguns anos. A tendência é que a idade média da população se eleve ainda mais. Sabem por quê? Por causa da expectativa de vida.

Como eu adoro estatísticas e estudar a população sempre as envolve, posso dizer que sei de cabeça um monte de dados sobre a população brasileira. A expectativa de vida é dada pela idade média em que se espera que um bebê nascido naquele ano viva. Lembrem-se disso: se você quiser saber a idade média que é esperado que você viva com maior exatidão, você deve procurar o índice de sua cidade (diminuindo a abrangência e a diversidade de condições) e o ano em que você nasceu. Só se lembre de que é uma média! Não vá se desesperar e achar que só vai chegar até aquela idade. A maneira com que cada um leva a vida ainda é o principal definidor disso. 

Se observarmos a expectativa de vida para quem nasceu em 1980, vemos que era de 62,6 anos para a população independente do sexo. Se as condições permanecessem exatamente iguais às que existiam em 1980, teríamos poucos brasileiros com mais de 70 anos, por exemplo. Mas como a população tem se urbanizado cada vez mais, o saneamento básico alcança mais gente, há mais vacinas e prevenções de doenças, as condições gerais de saúde da população têm melhorado. Com isso, a expectativa de vida só tende a se elevar. Para os nascidos em 2000, a expectativa já era de 70,46 anos. Só afeta quem nasceu em 2000? Claro que não! Afeta a todos. Porém, os mais velhos, de gerações anteriores, ainda carregarão as marcas das condições gerais antigas. Essa galera, que é mais velha, vai viver, provavelmente, mais do que era esperado quando nasceram, mas menos que os nascidos em 2000. 

E a expectativa não para de subir! Em 2015, chegamos aos 75,44 anos para a população brasileira. Em 2060, será de mais de 81 anos, segundo estimativas. É claro que essa é a expectativa média desse imenso e desigual país que é o Brasil. Os municípios também produzem seus próprios índices e é de uma exatidão maior. Há também diferenças grandes entre os índices masculinos e femininos, porque ainda há diferenças significativas em participações no trabalho, família e acompanhamento médico. 

Já que se trata apenas de uma média, o que pode fazer diferença é o estilo de vida de cada um. Contudo, há estruturas locais que fazem com que os próprios estilos de vida adquiram limitações ou restrições. O jeito é aproveitar porque ainda temos muito pra ver e viver! Até a próxima! Bjokas!!!

Maximiliana “Maxi” Esploro

Sempre adorei entender o porquê das coisas, especialmente quando se tratava de uma realidade social. Por que existem países mais pobres do que outros? Por que as pessoas preferem viver em cidades do que no campo? Por que é tão importante o crescimento do PIB? São perguntas que eu fiz quando tinha 12 anos e esse comportamento só foi se intensificando com o tempo. Costumo passar 8 horas por dia pesquisando dados na internet, para compreender melhor o mundo. Gosto de fazer pesquisas off-line também. Promovo questionários na vizinhança, e até no meu núcleo familiar, para gerar informações e conhecimento com elas. Curso Economia e pretendo utilizar esses conhecimentos para criar uma nova “sabedoria”, que utilize os milhões de dados disponíveis ou captados para melhorar a compreensão e as tomadas de decisão, e, assim, melhorar a qualidade de vida das pessoas. Chamo isso de Estatística e Conhecimento. Vou aproveitar esse espaço aqui, no Galera Cult, para compartilhar várias descobertas que fiz nas minhas pesquisas.