As figuras de linguagem à serviço da História

Como fazer para explicar o passado? Como expressar em palavras o que não conhecemos? O que fazer para as pessoas compreenderem algo que não existe mais? Essas são algumas perguntas que os historiadores geralmente fazem em suas pesquisas. Uma das partes essenciais do trabalho de todo historiador é a escrita e a divulgação de suas descobertas, assim, muitas vezes para explicar as realidades sociais e culturaisos historiadores utilizam as figuras de linguagem. Com isso, não pense que o estudo das figuras de linguagem se resume a disciplina de Português, tenha certeza que frequentemente durante as aulas e o estudo da história elas também são essenciais. Quer saber como? A Titta vai te contar um pouco mais sobre isso. 

As figuras de linguagem mais usadas pelos historiadores são as metáforas, as metonímias, as antonomásias, as prosopopeias, as ironias, entre outras. Elas representam um interessante recurso para superar o estranhamento do leitor/aluno frente ao desconhecido. Ao relacionar, através das figuras de linguagem, o estranho ao familiar, o historiador aproxima o passado da realidade vivida pelo leitor/aluno. Vou dar um exemplo bem simples para você entender melhor: para explicar como surgiu o sentimento nacionalista nos países europeus no século XIX, o historiador recorre a uma metáfora para comparar as guerras que geraram esse sentimento de amor à pátria e a nação no século XIX com a Copa do Mundo nos dias de hoje. Assim, o historiador diz: “A Copa do Mundo é uma guerra que faz crescer um sentimento patriótico entre cidadãos.”. Obviamente, a Copa do Mundo não é uma guerra, mas o historiador utiliza esse exemplo para o leitor/aluno entender como surge um sentimento nacionalista. 

Outro figura de linguagem muito comum no discurso dos historiadores é a prosopopeia, ou a personificação. Para diferenciar o sistema capitalista do sistema socialista, os historiadores normalmente dizem: “O capitalismo defende a propriedade privada, a livre iniciativa e o livre mercado.” ou “O socialismo é contra a propriedade privada e a concentração de capitais nas mãos da burguesia.”. Nessas afirmativas os historiadores acabam personificando os dois sistemas econômicos e sociais. Viu como utilizamos as figuras de linguagem a todo o momento? Elas são ferramentas que o escritor aplica no texto para conseguir a compreensão de seu leitor. Por isso, procure conhecer e perceber nos textos as diferentes figuras de linguagem. Um abraço e até a próxima!

Titta Resor “Titta”

Filha única de historiadores e educadores, tive meus pais sempre muito presentes na minha vida. Por isso, nunca tive dúvida de que seguiria seus passos. Eles sempre contavam inúmeras histórias para ilustrar o que queriam ensinar. Percebia que meus amigos não tinham a mesma oportunidade. Eles sempre reclamavam da ausência dos pais e percebia que isso afetava o comportamento deles. Assim, resolvi mergulhar em um grande projeto: como usar a História para levantar questionamentos e ensinar “boas” atitudes para as pessoas? Resolvi usar o bom exemplo dado pelos meus pais para responder essa pergunta. Minha missão aqui, no Galera Cult, será educar através de histórias, mais precisamente contando um pouco sobre a vida de grandes personagens da História. É o que eu chamo de usar História e Biografias para educar.