Ecoturismo

É, amigo (a)... Vou te falar que me amarro em viajar e vocês já sabem disso. Mas, ultimamente, ando procurando viajar para locais verdes e calmos, para que eu possa dar uma relaxada ao som da natureza e da minha própria consciência. Para quem quer fazer esse tipo de coisa, existem locais e serviços específicos, que o pessoal costuma denominar de ecoturismo.

Esse tal de ecoturismo vem crescendo há algum tempo. Se lembram quando, principalmente, em geografia e biologia e meu amigo Paulinho, falamos de sustentabilidade? Eventos de preocupação com a natureza como a Rio-92? Cuidados com o lixo? Essa preocupação não vem desde sempre. Com o surgimento dos eventos sobre os cuidados ambientais (Conferência de Estocolmo, Conferência das Nações Unidas Sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento), a população e os governos começaram a refletir sobre a importância de se ter um meio ambiente preservado, sem colocar em risco as futuras gerações. O lançamento de gases como o dióxido de carbono, o dióxido de enxofre e o monóxido de carbono – que são lançados por carros e indústrias, por exemplo – prejudicam a fauna e a flora, e consequentemente, a todos nós.

A partir desta preocupação, as pessoas têm procurado se aproximar, cada vez mais, desse vínculo com a natureza de maneira geral. Empresas de turismo têm ampliado as suas ofertas de viagens para locais “verdes”, ao mesmo tempo em que algumas cidades têm recebido incessantemente muitos turistas para aproveitar dessa sensação: é o caso de Bonito, no Mato Grosso do Sul. Pra vocês terem uma noção, só nessa cidade foram investidos cerca de cento e quarenta MILHÕES de reais para obras de saneamento e incentivo ao ecoturismo local.

Aqui no Brasil, nós temos muitos lugares para aproveitar essa temática do ecoturismo: um deles, por exemplo, é em Minas Gerais: Conceição de Ibitipoca, no município de Lima Duarte, é um dos locais mais bonitos que visitei ultimamente. Sempre lembrado pela galera que curte fazer uma trilha ou só pretende dar uma esquecida da vida urbana, é um distrito com aproximadamente 2000 habitantes e que é voltado para o meio ambiente, sobretudo por ser um pequeno vilarejo e estar ao lado do Parque Estadual do Ibitipoca, uma região com preservação ambiental de primeira qualidade.

Já procuraram viajar para locais assim? Pra quem mora no Rio de Janeiro, por exemplo, tem o famoso Parque Nacional da Tijuca, localizado no meio da “selva” urbana. Nesse caso, nem é preciso viajar: tudo que você precisa fazer é pegar um ônibus, carro, bicicleta – OU IR A PÉ! – e aproveitar a tranquilidade e o relaxamento que o convívio com a natureza traz. Além de ser uma ótima oportunidade de conversamos sem interrupções com nossos amigos e familiares, é um passeio que não sai caro. Piqueniques, exercícios e boas companhias podem se integrar para favorecer aquela saída perfeita!

Já sabe o que fazer quando vier aquele tédio nas férias, né? 

Aquele abraço!

Nando

Sempre fui um viajante. Se não viajo com os pés, viajo com minha imaginação, desbravando os lugares mais distantes e inóspitos que eu possa ir. Lá em casa, meus pais sempre trabalharam muito para me dar um bom padrão de vida. Apesar de ter estudado em boas escolas e sempre ter tirado boas notas, me sentia culpado por eles estarem sempre preocupados com o dinheiro e muitas vezes deixava de me divertir por causa disso. Aos meus 18 anos de idade, meus pais se separaram. Essa experiência me impactou muito, pelo fato de eu ser filho único, acabei vendo minha família desmoronar. Então a partir daí, passei a viajar mais ainda. Agora aos 20 anos, eu viajo o mundo e levo uma vida totalmente diferente da qual eu tinha com os meus pais. Busco aprender de forma prática e significativa, diferente das escolas por onde estudei, não me apegando a bens materiais e sempre viajando leve.