Luiz Maurício

A música “Tempos Modernos” mostra, em seu início, um otimismo e, ao mesmo tempo, um olhar crítico e realista do mundo, que demonstra uma das características principais de Lulu Santos. Essa música de 1982, porém altamente atual, retrata um liberalismo, o qual foi consolidado por essa década de 80, descendente do movimento hippie dos anos 70. Isso se nota nos versos, que são quase um hino para essa geração “hoje o tempo voa amor/ escorre pelas mãos/ mesmo sem se sentir/ e não há tempo que volte amor/ vamos viver tudo que há pra viver/ vamos nos permitir”. 

Figura central do movimento de vanguarda

Olá, galera! Tudo bem? Nosso papo de hoje é sobre um escritor que eu super curto: Mário de Andrade. “Eu sou um escritor difícil/ Que a muita gente enquisila,/ Porém essa culpa é fácil/ De se acabar de uma vez:/ E só tirar a cortina/ Que entra luz nesta escuridez”. É através desses versos que Andrade se adjetiva como escritor. Publicou Pauliceia Desvairada, primeiro livro de poemas da primeira fase do Modernismo, uma das principais escolas literárias do Brasil.

Uma banda e tanto

Banda clássica mineira, torcedora fanática do cruzeiro, nasceu em 1991, movido pelo interesse em transportar o clima do dancehall jamaicano para a tradição pop brasileira, lançou seu primeiro álbum de forma independente - mas o sucesso underground despertou o interesse da poderosa gravadora Sony Music. Seu segundo disco, de 1994, foi o trampolim para o sucesso, já que foram mais de um milhão de cópias de “Calango”, "Jackie Tequila" e "Te Ver".

O gaúcho Quintana

Olá, galera! Tudo beleza? Nosso papo cult de hoje é sobre um importante escritor, jornalista e poeta gaúcho: Mário Quintana. Uma de suas indagações que me chama mais a atenção é “A resposta certa não importa nada: o essencial é que as perguntas estejam certas.”. #umconviteparapensar

Muito mais que sonetos

Olá, galerinha, tudo bem? Então, nosso bate-papo de hoje é sobre Olavo Bilac, ou seja, um poeta que ficou muito conhecido pela escola literária brasileira denominada Parnasianismo. Esta escola cultivava arte pela arte e a poesia descritiva, mas o que isso significa? Que o belo está na forma mais “difícil” de retratar algo, qualquer coisa que seja, como um beijo, por exemplo, e faz isso com muitas figuras de linguagem, como comparações, adotando uma postura intimista e subjetiva.

Rimas

Olá, meus lindos! Tudo bem? Então, estava conversando com meu irmão Mário e ele me disse que a professora de matemática criou um trechinho e começou a cantar com a turma: “Dois mais dois quatro, digo na lata!/Conta que não admite sequer errata/ Soma, divisão ou subtração/ Não há qualquer abstração/Pois matemática é ciência exata.” Achei super maneiro! Aí, fiquei pensando... Quais são os tipos de rimas que temos? 

Traduz pra mim?!

Olá, galerinha! Tudo bem? Nosso papo cult de hoje é sobre um assunto que, muitas vezes, não paramos para pensar: a importância da tradução. Você já deve ter escutado algumas pessoas dizendo que trabalham em uma certa área e também fazem tradução nas horas livres para ganharem uma graninha extra, né?! Mas será que são realmente aptas para traduzir corretamente?

Ótica de ficcionista

Olá, meus lindos? Tudo beleza? Bom, nosso bate-papo de hoje é sobre um romancista, dramaturgo e jornalista considerado o principal autor do teatro brasileiro no século XX.  Você já sabe quem é, né? Isso mesmo, Nelson Rodrigues. Ele possuía um dom primordial em contar histórias, principalmente romances ficcionais. Algo que achei super maneiro é que em sua autobiografia ele se autoanalisou: “Sou um menino que vê o amor pelo buraco da fechadura. Nunca fui outra coisa. Nasci menino e hei de morrer menino. E o buraco da fechadura é, realmente, a minha ótica de ficcionista.

Um baiano de “responsa”

Olá, meus lindos! Tudo bem? Nosso papo cult de hoje é sobre um cantor que foi muito influenciado pela Bossa Nova: João Gilberto. Nasceu em Juazeiro, Bahia e quando completou 14 anos, ganhou um presente que foi o responsável por mudar a trajetória da sua vida: um violão. Esse objeto tão precioso tornou sua obsessão e, para amantes do ritmo brasileiro, marcou o universo musical dos anos 50 e até hoje é um símbolo do nosso país e muito respeitado internacionalmente.

Um cronista de mão cheia

Olá, galerinha, tudo bem? Então, nosso bate-papo de hoje é sobre um escritor ultra megapower único: Fernando Sabino. Vocês o conhecem? Bom, vamos lá?! Ele foi, primordialmente, um cronista de mão cheia, mas também produziu romances, contos, livros infantis, biografia e ainda um dicionário! Os estudiosos o classificam como modernista, pois seu jeito de narrar com simplicidade, objetivação, de forma condensada e coloquial, sem muitas descrições o enquadra dentro dessa escola. Mas isso não significa que ele só se encaixe nessa escola literária, ok, pessoal?!

Páginas