O agronegócio

Se tem algo que nós brasileiros devemos nos orgulhar é o nosso agronegócio. Sei que há diversos questionamentos éticos e ambientais, e eu e meus amigos, Leo e Paulinho, vivemos discutindo sobre isso. Essas questões não devem ser esquecidas, mas não tiram o mérito da nossa produção agrícola.

O destaque para esse setor deve-se ao elemento mais importante no Empreendedorismo: a inovação. Estamos entre os líderes mundiais em produtividade, apesar de todas as dificuldades burocráticas tradicionais no país. Além disso, destaca-se a expansão da fronteira agrícola para regiões como o Centro-Oeste. Tradicionalmente, a região era caracterizada pela agricultura de subsistência, mas, a partir da década de 80, iniciou-se um processo de investimento em pesquisas e mais recentemente um investimento em biotecnologia que impulsionaram a região. Hoje, ela destaca-se com mais de 40% da produção nacional de soja, arroz e outros alimentos.

Esse crescimento deve-se também a implementação dos transgênicos. A transgenia é a alteração do corpo genético das sementes a fim de criar um alimento “melhor”, isto é, mais favorável ao consumo humano, seja por resistir mais as pragas, mais nutritivo, maior etc. É verdade que muitas vezes, as empresas utilizam a transgenia para fins comerciais próprios e questionáveis, como as sementes estéreis, apelidadas de “terminator”. Elas geram plantas estéreis, que não geram novas sementes e por isso tornam os produtores reféns dos grandes laboratórios.

Como eu e meu amigo Leo costumamos dizer: não deve haver Empreendedorismo sem Ética.

#ficaadica

Até mais!!!

 

Saiba mais

O uso dos recursos naturais nos feudos

Energia do vento

Ana “Aninha” Kreintino

Sabe o que eu acho mais comum entre meus amigos adolescentes? Eles não sabem o que querem da vida. Estão perdidos. Por exemplo, meus dois irmãos mais velhos, Alex e Aílton, de 17 e 18 anos, e que ainda nem sabem qual carreira seguir. Pode até aparecer papo de “velho”, de mãe e pai. E é mesmo, né? Mas eu não sou “velha” não, hein! A diferença é que eu sei bem o que eu quero. E não é pouco. Não é exatamente ser rica, ou famosa. Tem a ver com um orgulho pessoal, algo dentro de mim. Quero fazer a diferença. Adoro Empreendedorismo. Aos 8 anos, aprendi a fazer brigadeiro e passei a comercializar na vizinhança e na escola. Mas fiz isso porque vi a oportunidade. Não gosto de cozinhar. Minha parada é tecnologia. Meu sonho é criar um aplicativo inovador e viver dele, de preferência em Cingapura. Vou postar, nesse cantinho do Galera Cult, um monte de coisas sobre inovação, ideias de hoje e do passado que mudaram a nossa história.