A maior produtora de energia alternativa do mundo: Hidrelétrica de Itaipu

Saudações, amigos da Galera Cult. Um dos maiores desafios da sustentabilidade do mundo, e é claro do nosso país, é fornecer energia sem degradar o meio ambiente. O modelo atual de fornecimento de energia com a queima de combustíveis fósseis, como petróleo e carvão, produz grandes alterações no meio ambiente. Entre os impactos ambientais mais significativos encontramos a emissão de gases de efeito estufa (gás carbônico e metano, por exemplo) e a degradação do solo e subsolo.

Para minimizar os impactos a pesquisa por fontes alternativas de energia tem aumentado consideravelmente. A energia hídrica, ou seja, aquela que usa a força contida na água para a geração de energia elétrica, tem sido usado no Brasil com frequência. A maior usina hidrelétrica brasileira (que até pouco tempo era maior do mundo) fica na região sul, na divisa com o Paraguai, a usina de Itaipu.

A usina hidrelétrica de Itaipu levou cerca de 16 anos para ficar pronta e começou a produzir energia, em 1984. A energia gerada nela abastece 17% do território brasileiro e cerca 75% do Paraguai. Quer saber mais? Então, veja comigo algumas características dessa usina.

-A Itaipu Binacional é líder mundial em produção de energia limpa e renovável, tendo produzido mais de 2,3 bilhões de MWh desde o início de sua operação, em 1984. Com 20 unidades geradoras e 14.000 MW de potência instalada, fornece cerca de 17% da energia consumida no Brasil e 75% no Paraguai.

-Em 2014, Itaipu produziu um total de 87.795.393 de Megawatts/hora (87,8 milhões de MWh). Sua maior produção anual foi estabelecida em 2013, com 98.630.035 de MWh. O recorde anterior ocorreu em 2012, com a geração de 98.287.128 de MWh.

-O reservatório da Itaipu, com 1.350 km² de área inundada, é o sétimo maior do Brasil, mas dispõe do melhor índice de aproveitamento da água para produzir energia entre os grandes reservatórios brasileiros.

 

 

-A barragem é a estrutura (concreto, enrocamento e terra) que serve para represar a água e obter o desnível de 120 m que permite a operação das turbinas. Na parte superior da barragem principal, estão situadas as tomadas de água, estruturas com comportas que permitem que a água, passando por elas e pelos condutos forçados, alcance a caixa espiral, onde faz a turbina girar.

-A barragem da Itaipu tem 7.919 metros de extensão e altura máxima de 196 metros, o equivalente a um prédio de 65 andares. Consumiu 12,3 milhões de metros cúbicos de concreto, enquanto o ferro e o aço utilizados permitiriam a construção de 380 Torres Eiffel.

Fonte: https://www.itaipu.gov.br/energia/

Bom... A energia hidrelétrica realmente pode ser uma boa alternativa de geração de energia em substituição das fontes tradicionais (e mais poluentes), mas isso não quer dizer que ela não tem impactos ambientais. A construção da barragem provoca alterações substanciais no solo e subsolo. Além disso, a reservatório de água tem a sua paisagem totalmente alterada com o alagamento, com a perda da biodiversidade local. Além disso, por vezes é necessário o deslocamento da população que reside no entorno das áreas que serão inundadas, fazendo com que o modo de vida da população/comunidade mude drasticamente. Existe até o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), luta em defesa da população afetada.

Acredito que devemos buscar ao máximo o equilíbrio, entre o atendimento de nossas necessidades (como a energia elétrica nesse caso) e o risco de impactos ambientais. Em alguns locais a produção de energia hidrelétrica realmente é a melhor solução, em outros locais não. Pode-se por exemplo focar mais na energia solar e eólica para contribuir em todo o sistema. Por isso é importante o desenvolvimento do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e das Auditorias Ambientais solicitados pelos órgãos ambientais (como o Ibama por exemplo) no processo de licenciamento ambiental.

Mas é claro que também temos que fazer nossa parte, evitando o desperdício de energia (deixar os aparelhos e luzes ligados quando não estamos usando) e priorizando aparelhos mais eficientes.É isso aí Galera Cult, espero que tenham curtido nosso papode hoje!!! Até breve.

 

Saiba mais

Praia limpa é praia boa

Meio Ambiente e o (des)matar

Paulo “Paulinho” Statera

Desde pequeno tive dificuldade de me enquadrar aos padrões; e não era só rebeldia. Ficava mais revoltado com aqueles que não faziam nenhum sentido. Esse comportamento gerou afastamento de meus pais e minha família em geral, com exceção do meu avô, Paulo, que também sempre foi um rebelde… hehehehe. Poucos reconhecem, mas os meus questionamentos não são vazios, são (e sempre foram) coerentes, pois percebo que as pessoas seguem e tomam decisões porque seguem modelos prontos ou porque pensam no curto prazo. Tudo mudou quando conheci um grupo que vive em uma Ecovila, o Gemeinde, que promove relações diferentes entre si e com o meio ambiente. Minha identificação com o grupo despertou meu interesse por Sustentabilidade e essa passou a ser a minha missão: disseminar outras formas de relacionamento entre os seres humanos e com a natureza. Siga-me no Galera Cult e fique sabendo mais sobre críticas a sociedade atual e sobre práticas sustentáveis